domingo, 24 de setembro de 2017

Livro Olga Fernando Morais


Livro Olga
A vida de Olga Benário Prestes, judia comunista entregue a Hitler pelo governo Vargas
O livro que deu origem ao filme de Jayme Monjardim
Fernando Morais

17ª edição

Companhia das Letras
2004

Boas leituras!

sábado, 23 de setembro de 2017

Livro O Futuro Decifrado, Ellen G. White


"O mundo encontra-se em agitação. Há terremotos, violência, guerras e fome por toda a parte. Quem prevê o futuro? Onde há segurança? Com o objetivo de melhorar a situação política, social e econômica, os homens traçam os mais inusitados planos. Mas, tais planos não se cumprem quando em desarmonia com o programa de Deus. Ele estabeleceu um plano no qual todos os acontecimentos se desenrolam. O Futuro Decifrado procura apresentar as cenas finais da história deste mundo de forma compreensível e concisa. É fundamental que haja um preparo para o maior evento mundial: o retorno de Jesus."

Livro O Futuro Decifrado
Ellen G. White

Edições Vida Plena
1995

Boas leituras!

Livro A longa jornada, Richard Adams


"A Longa Jornada (Watership Down) conta a saga de um grupo de coelhos que precisa migrar depois que sua toca ficou ameaçada. Nessa jornada, terão de enfrentar os mais diferentes perigos para conseguir um lar novamente. Nesta obra, o autor utiliza a vida dos animais, no caso os coelhos, para simbolizar o comportamento do homem, um misto de livro de aventura e de reflexão."

Livro A longa jornada
Richard Adams

Tradução de Hélio Polvora

Editora Nova Fonteira
1976

Boas leituras!

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Livro New York, New York, Judith Krantz


"Depois de tornar-se conhecida nos balneários mais elegantes do mundo, Maxi Amberville volta a Nova York para participar de uma reunião da empresa criada por seu pai, a Amberville Publications. Chegando a Manhattan, tem uma desagradável surpresa: encontra sua mãe casada com seu tio Cutter, um homem detestável que está disposto a vender o império construído por seu pai a qualquer preço. Somente Maxi poderá impedi-lo. Assumindo a direção da Buttons and Buttons, um semanário de figurinos, ele se revela um verdadeiro talento no mercado editorial ao transformar a revista num ícone da moda. Para isso conta com o apoio de vários amigos, entre eles o impulsivo Rocco, seu ex-marido."

Livro New York, New York
Judith Krantz

SuperSellers
Record
1986

Boas leituras!

Seleções de livros Reader's Digest, 2010


- Lar, doce lar, Mary Higgins Clark
- A lista de natal, Richard Paul Evans
- O assassinato do rei Tut, James Patterson e Martins Dugard
- Água, pedra, coração, Will North

Seleções de livros
Reader's Digest

2010

Boas leituras!

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Livro Caminho ao Redentor, Ellen G. White


"O progresso material, a riqueza ou distinção social, jamais podem responder o mais profundo anseio que existe no íntimo de cada coração humano; o de ser feliz. Esta perspectiva tem enviado os homens a empreenderem a busca da felicidade em caminhos escuros e perigosos, em fontes vazias, em prazeres que só produzem frustração e ruína.
Nosso seculo caracteriza-se pela angústia, que de um modo geral afeta até os espíritos mais serenos. Milhões de pessoas vivem sôfregas, angustiadas e revoltadas contra si mesmas, contra todos e contra tudo, buscando desesperadamente encontrar um pouco de paz e descanso.
Há, contudo, uma alternativa, uma fonte abundante, e um caminho, ao alcance de todo peregrino: _Jesus Cristo. Ele declarou: "Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida". S.João 14:6, e graciosamente estende o mais amoroso convite do Universo: "Vinde a Mim todos os que estais cansados e oprimidos, que Eu vos aliviarei". S.Mateus 11:28.
Nestas palavras de esperança, cada membro da família humana é convidado a aceitar o caminho da salvação e vida eterna, e a desfrutar verdadeira paz, autêntica felicidade, e perfeita alegria e comunhão com Deus, a partir do momento da aceitação de Cristo Jesus como Salvador e Senhor da vida.
Que cada leitor deste opúsculo, possa encontrar e palmilhar o caminho ao Redentor, fortalecendo a sua fé com cada raio de luz e esperança, contido em suas consoladoras páginas, é o desejo dos Editores".

Livro Caminho ao Redentor
Ellen G. White

Casa Editora Firmamento

Boas leituras!

Revistando: "A maior ironia", Lya Luft, Veja, 16 de fevereiro de 2011


"Com o ensino cada vez pior _ e ainda por coma sendo mais difícil conseguir uma reprovação _, temos gente saindo das universidades quase sem saber coordenar pensamentos e expressá-los por escrito, ou melhor: sem saber o que pensar das coisas, desinformados e desinteressados de quase tudo. Fico imaginando como será em algumas décadas. A ignorância alastrando-se pelas casas, escolas, universidades, escritórios, congressos, senados... Multidões consumistas ululando nas portas e corredores de gigantescos shoppings, países inteiros saindo da obscuridade _ não pela democracia, mas para participar da orgia de aquisições, e entrar na modernidade.
Em algumas coisas sou pessimista: essa é uma delas. Mas acredito que os que ainda quiserem pensar, estudar, descobrir, inventar, pintar, dançar, cantar ou escrever vão viver numa espécie de ilha. Talvez em universidades tradicionais ou ultra-adiantadas, ou no aconchego de bibliotecas em casa, praticamente todas de e-books ou recursos com que nem sonhamos, exigindo pouco espaço.
Já existem em países adiantados intelectuais, pensadores, pesquisadores, cientistas pagos simplesmente para pensar. Criar, inventar, descobrir. Um deles, meu conhecido, cujo hobby é tocar piano, conseguiu, sem ter de pedir, uma sala enorme à prova de som, para tocar altas horas ou de dia, sem incomodar vizinhos.
As atuais agitações em países do Oriente me fizeram pensar que a filosofia (os gregos) foi substituída pela religião, a religião pelas ideologias, e as ideologias, atualmente, pelo consumismo. Não sou contra consumir, gosto do meu celular eficiente e relativamente moderno, embora saiba que em poucas semanas, ou dias, ele estará ultrapassado. Isso não me incomoda. Não me deixa ansiosa por trocar este por outro, que em pouco tempo também deverá ser substituído, numa compulsão idiota. Não gosto é dessa compulsão idiota. Meu computador e meu notebook são atualizados e eficientes, mas não me importa que em algumas semanas estejam superados, desde que funcionem bem.
Gosto de poder trocar de carro quando o outro bater biela (não sei o que é biela mas ouvi falar). Porém, nem posso nem desejo estar sempre com o último modelo, ou o mais luxuoso. Diante da miséria de meu país, acho que isso me envergonharia, como caríssimas jóias e bolsas ou roupas de grife. Vivo uma busca de simplicidade, que ajuda bastante a viver curtindo mais e melhor as coisas boas que existem no meio do horror. Podem ser simplíssimas, como um livro interessante, um Mozart profundo, as crianças que correm no jardim de uma casinha que temos na montanha. Um casal de guaxinins fez seu ninho embaixo da varanda, nosso novo encantamento.
Se a gente não consegue coisas desse tipo, a vida fica pesada demais. Corrida demais. Relógios demais, compromissos demais, bebida, comida, contas demais, e de repente a velha prostituta que chamamos Morte revira seus olhos sinistros de gato, limpa os bigodes e prepara o bote.
E nós, onde estamos? Em casa, na cama, na loja, no bar, na praia, na multidão enlouquecida, na solidão do hospital _ ou rodeados de alguns afetos essenciais? Ou sozinhos, mas apaziguados? Ou em alguma ilha, que pode ser de artistas ou pensadores dignamente valorizados, ou no minúsculo escritório, ou quarto, em casa, sentindo o contentamento de alguns momentos bons, ou simplesmente refletindo, contemplando?
Vamos ter "aproveitado" a vida, coisa que se aconselha aos jovens desde o tempo de minhas avós _ aos rapazes naturalmente, aqueles tempos de moças recatadíssimas _, vamos continuar infantilizados, ou vamos melhorar um pouco como seres humanos? Ou isso tudo não nos interessa nadinha (o que é mais provável)?
O que vai ser, o que vamos sentir, alegria ou tormento, ansiedade inútil ou trabalho de crescimento pessoal, e como vamos enfrentar as unhas afiadas daquela velha dama de gélidos olhos? Quase sempre depende de nós, que giramos feito baratas tontas em busca da última novidade, do mais moderno acessório, da mais louca diversão. E essa é a maior ironia."

A maior ironia
Lya Luft

Revista Veja
Editora Abril
Edição 2204 - Ano 44 - Nº 7

16/02/2011
Página 22

Boas leituras!

Seleções de Livros Reader's Digest


- O vôo das águias, Jack Higgins
- A estrada do mar, Barbara Delinsky
- Noite longa, John Gilstrap
- Julie e Romeo, Jeanne Ray

Seleções de Livros
Reader's Digest

2001

Boas leituras!

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Livro O Morro dos Ventos Uivantes, Emily Brontë



"1801
Acabo de visitar meu senhorio, que é também meu solitário vizinho. Esta é uma região admirável. Em toda a Inglaterra não creio que haja lugar mais isolado. Aqui eu e o Sr. somos parceiros, dividindo a mesma solidão. Ele mal sabe o quanto me senti atraído por ele quando percebi seus olhos negros se desviarem taciturnamente, logo que cavalguei em sua direção e anunciei meu nome.
_Sou o Sr. Lockwood, seu novo inquilino, senhor. Vim o mais depressa que pude. Espero que não o tenha aborrecido com minha teimosia em arrendar a Granja dos Tordos.
_Sou o dono da Granja dos Tordos _ interrompeu ele, arrogante _ e ninguém me aborrece quando não quero. Entre!
Essas palavras foram ditas entre dentes, como se estivesse me mandando para o inferno. Mas decidi aceitar o convite, curioso por conhecer alguém que parecia ainda mais exageradamente reservado do que eu."

... 

"O Morro dos Ventos Uivantes é o nome da casa do Sr. Heathcliff. Adequadamente o nome descreve o tumulto atmosférico a que ela fica exposta nos temporais: o vento norte sopra com violência, inclinando os abetos e espinheiros raquíticos detrás da casa. Felizmente é uma casa bastante forte, com janelas estreitas cravadas nas paredes e cantos protegidos com pedras largas e salientes.
Antes de transpor a soleira, percebi uma data, 1500, e um nome Hareton Earnshaw, gravados na fachada, entre outros curiosos desenhos. Entrei. A um canto da sala de estar havia uma enorme lareira. Num imenso aparador luziam filas de pratos de estanho e jarros de prata, ao lado de bolos de aveia, pernas de vaca e de carneiro e presuntos. Em cima da lareira havia velhas pistolas. O chão era de pedra branca e lisa; a mobília, de feitio antigo. Debaixo do aparador descansava uma perdigueira rodeada de cachorrinhos irrequietos; outros cães estavam pelos cantos.
Ora, o aposento e a mobília nada teriam de extraordinário se pertencessem a um simples lavrados, mas não ao Sr. Heathcliff. Ele é contraditório: moreno como um cigano, de aspecto taciturno, veste-se e comporta-se como um fidalgo rural; é inteligente, mas elegante. Como eu, o Sr.  Heathcliff deve amar e odiar discretamente, pois, pelo visto, temos ambos horror de demonstrar nossos sentimentos.
Sentei-me junto da lareira e tentei acariciar a perdigueira, que me rondava de dentes arreganhados como uma loba, mas o gesto provocou-lhe um rosnado prolongado." 

... 

"Enquanto me guiava escada acima, Zillah recomendou que ocultasse a vela e não fizesse ruído, porque o patrão tinha idéias esquisitas sobre o cômodo que ela me destinara, mas não soube explicar-me a razão.
O quarto era modestamente mobiliado. Um imenso armário de carvalho formava um pequeno compartimento, que englobava uma das janelas, cujo peitoril servia de mesa. Pousei ali o castiçasl e notei inscrições a canivete: Catherine Heathcliff , Catherine Earnshaw e Catherine Linton."


Livro O Morro dos Ventos Uivantes
Emily Brontë

Editora Scipione
Tradução Vilma Areas
7ª edição
1993

Boas leituras!

Livro Destemida, Natalie Jane Prior


Livro Destemida
O tesouro do castelo do pântano
Natalie Jane Prior

Editora Fundamento Educacional Ltda
2006

Boas leituras!

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Livro O Ateneu, Raul Pompéia

"Vais encontrar o mundo, disse-me meu pai, à porta do Ateneu.
"Coragem para a luta". Bastante experimentei depois a verdade deste aviso, que me despia, num gesto, das ilusões de criança educada exoticamente na estufa de carinho que é o regime do amor doméstico, diferente do que se encontra fora, tão diferente, que parece o poema dos cuidados maternos um artifício sentimental, com a vantagem única de fazer mais sensível a criatura à impressão rude do primeiro ensinamento, tempera brusca da vitalidade na influência de um novo clima rigoroso. Lembramo-nos, entretanto, com saudade hipócrita, dos felizes tempos; como se a mesma incerteza de hoje, sob outro aspecto, não nos houvesse perseguido outrora e não viesse de longe a enfiada das decepções que nos ultrajam.
Eufemismo, os felizes tempos, eufemismo apenas, igual aos outros que nos alimentam, a saudade dos dias que correram como melhores. Bem considerando, a atualidade é a mesma em todas as datas. Feita a compensações dos desejos que variam, das aspirações que se transformam, alentadas perpetuamente do mesmo ardor, sobre a mesma base fantástica de esperanças, a atualidade é uma. Sob a coloração cambiante das horas, um pouco de ouro mais pela manhã, um pouco mais de púrpura ao crepúsculo _ a paisagem é a mesma de cada lado beirando a estrada da vida. 
Eu tinha onze anos."

Livro O Ateneu
Raul D'Ávila Pompéia
(1863-1895)


"Nome esse imortalizado pela extraordinária obra "O Ateneu", livro autobiográfico ou "Crônica de Saudades".
Nasceu em Jacuecanga, município de Angra dos Reis, no Estado do Rio de Janeiro.
Com apenas dez anos de idade já era aluno interno do Colégio Abílio, do Dr. Abílio César Borges, de onde, certamente, extraiu farto material para o seu romance "O Ateneu".
Apesar de tímido, doentio e emotivo, desde cedo, demonstrou Raul Pompéia pendores artísticos, pendores esses que mais tarde se revelaram maravilhosamente: bom desenhista, exímio caricaturista, escultor, profundo conhecedor da língua portuguesa, manejando-a com destreza, construindo as frases com elegância e originalidade nas expressões e comparações.
Em 1879 passa a ser aluno externo, talvez por seu físico doentio, no Externato do Imperial Colégio Pedro II, onde concluiu seus estudos secundários.
Em 1881 ingressa na Faculdade de Direito de São Paulo, tornando-se adepto dos ideais republicanos e abolicionistas, e dá início a sua carreira de jornalista, colaborando em vários jornais não só de São Paulo, como também do Rio.
Em 1884 se transfere para a Faculdade de Direito do Recife, uma vez que foi reprovado na de São Paulo, injustamente, por questões políticas. Não era ele um abolicionista, um republicano?
Em 1888 "O Ateneu" é lançado em livro, depois de ter sido publicado em folhetins pela "Gazeta de Notícias" de José do Patrocínio.
Em 1894 é nomeado Diretor da Biblioteca Nacional e no ano seguinte já é demitido sob pretexto de desacato à pessoa do Presidente da República, o sr. Prudente de Moraes.
Sem o apoio e a compreensão necessária de seus amigos, pôs termo à vida tragicamente no dia de Natal do ano de 1895." 

Editora Ática

Boas leituras!

Livro O poder de realizar seus sonhos Ivo Storniolo


Livro O poder de realizar seus sonhos
Ivo Storniolo

Editora Melhoramentos Ltda
2007

Boas leituras!

domingo, 17 de setembro de 2017

Adeus Sr. Duck White


Nos despedimos hoje do nosso "senhorio" Duck White... foste um guerreiro e sentiremos muito a sua falta.

Eduardo, Emília, Menina e Ponta Branca

Apresentação de Hamilton Almeida Filho, Livro Furacão Elis, Regina Echeverria


Furacão Elis (apresentação)

"A vertigem do grego." Adolescente ainda, pequeno notável, aprendi de um velho repórter, Calos Rangel, o Barbante, que só a loucura e a obstinação nos guiam na busca dos fatos e da verdade, nessa nossa profissão: o jornalismo. O estado de alerta se faz, com o tempo, rotina. A vertigem do grego é isso: viver cada segundo à flor da pele, à beira do abismo sempre, diante dos fatos, da notícia e dos personagens de nossas vidas.
A vida se despeja enquanto a arte imita a vida.
O espelho do jornalista é o papel em branco no rolo da máquina de escrever, à espera de uma história para contar. Por isso, hoje eu sei que nossa tragédia será sempre do mesmo tamanho da nossa aventura. Fazemos parte da cena, e o repórter não é apenas um veículo. Por dentro dele _ cabeça, tronco e membros _, passa o testemunho da história de todo santo dia, da sua época.
Das tripas coração. O ato de escrever, quando feito com amor, nos dilacera a alma e o coração, nos embrulha o estômago. Nos enche de medo, nos toma de assalto e não nos deixa parar, como num mergulho, até o ponto final.
Furacão Elis é um livro reportagem. A memória nacional recém-parida, ao vivo e com todas as cores do seu tempo.
Essa Elis, mulher, que por muito tempo foi a voz que nos revelou o quanto morríamos de saudade do Brasil. "Toda a geração tem, num curto espaço de tempo, que descobrir a sua missão _ cumpri-la ou traí-la." (Gracias Señor, Zé Celso, Oficina - Brasil).
Tempos de Elis, do qual somos todos, de uma certa maneira, apenas sobreviventes. Arrastão, lunik-9, upa neguinho, travessia, romaria, madalena, águas de março, retrato em branco e preto, maria, maria, dois pra lá, dois pra cá, nas asas de panair, tiro ao álvaro, cadeira vazia, aquarela do brasil, alô, alô, marciano, até depois da volta do irmão do henfil.
Abaixo a morte, viva a inteligência! O brilho e o gênio da raça, juntos.
Tempos de Elis, o Brasil dando risada. Tempos de Elis, o Brasil de Médici ou mude-se. Como também de lá pra cá, até 19 de janeiro de 1982.
Essa, a reportagem desse livro de Regina Echeverria, trinta e quatro anos, de Leão, treze de profissão, dois casamentos, um filho e agora um livro. Não somos apenas bons amigos. Há três anos acompanho de perto a gestação dessa que é sua melhor e melhor matéria como jornalista e testemunha de seu tempo, nas artes e nos espetáculos da cena brasileira. Uma obstinação e uma vertigem de uma mulher também Regina, minha mulher.
O jornalismo como um ato puro de amor. Como ela mesmo diz, beijos e notícias. Um trabalho que a ocupou todos os dias dos últimos seis meses, desde que, tomada do impulso final dos editores, passou a terminá-lo com paciência, competência, dor e alegria. Um ofício feito com arte ao longo de mais de cem entrevistas, momentos de explosões de personagens, até o voltar pra casa em prantos.
O papel e a máquina. E o resultado está aqui, depois de revisto em seu texto final por José Marcio Penido, fino editor e amigo. Ao longo dos meses, a presença de Maria Luiza Kfouri, a Mana, construtora da cronologia, da discografia e da busca da exatidão dos fatos narrados por Regina. O artista gráfico Hélio de Almeida, dos mais sutis de toda a sua geração, paginou as fotografias do livro, fez sua capa.
Furacão Elis é isso: um competente trabalho de uma jornalista, cercada de jornalistas por todos os lados. Todos mergulhados na vertigem de contar a história de todos os dias, a sangue-quente, abordando os temas da sua geração e do tempo de seu país.
A mim, restou-me essa tarefa. Convidá-los ao mergulho no Furacão Elis, esse livro onde personagem, autora e colaboradores são todos lenha da mesma fogueira."
Hamilton Almeida Filho
agosto/85.

Livro Furacão Elis
Regina Echeverria

6ª edição

Nórdica / Círculo do Livro
1985

Boas leituras!

Livro A Terapia do Amor Kathleen Keating


"Como um dragão, o amor é mágico e paradoxal. Às vezes impetuoso. Outras vezes suave. Sempre misterioso.
A terapia do amor é uma oportunidade para a cura e o crescimento mútuos. Pode ser compartilhada com colegas, amigos, namorados, familiares, filhos, com aqueles que se relacionam por afinidade, generosidade _ ou simplesmente com alguém que esteja no seu coração no momento.
O amor está em toda parte _ levando-nos a ter visões e obter respostas, compaixão e cooperação." 

Livro A Terapia do Amor
Kathleen Keating

Desenhos de Mimi Noland

Tradução de Terezinha Batista dos Santos

Editora Pensamento
2007

Boas leituras!

sábado, 16 de setembro de 2017

Livro Beco dos Gatos, Jeferson Assumção


"Dona Carlita deixou o portão de casa aberto, e seu gato Tibélius sumiu. Acostumado a uma vida confortável, de repente o bichano se vê às voltas com uma série de dificuldades. Sorte é que acabou encontrando um bando de gatos que vivem nas ruas, e uma gatinha muito especial. Juntos, os sete gatos acabarão vivendo uma aventura para recuperar o beco que foi tomado por Carlão e seu grupo. 
Companheirismo, amor, amizade, ambição, drama, recheados com muita ação, esperam o leitor."

"O amor e amizade superam todas as dificuldades. Menos uma, é claro: a distância. Beco dos Gatos trata de aventura, amor, amizade, companheirismo, ambição e de consciência sobre o drama de viver nas ruas. Betinha, que vivia reclamando de tudo, ao ouvir a história da gatinha Marga e do gato Tibélius, aprendeu uma bonita lição: a realidade, com suas garras afiadas, é dura, e muitas vezes não damos valor para o que a gente tem. 
Beco dos Gatos mostra com um bando de gatinhos abandonados faz para sobreviver, e narra uma aventura para retomar o beco quentinho de onde foram expulsos. No final, uma surpresa."

Livro Beco dos gatos
Jeferson Assumção

Série Infanto-juvenil
Ilustrações Mario Guerreiro
WS Editor
1999

Boas leituras!

Livro A Dama dos Olhos Fascinantes Afonso de Santa Cruz


"Dois olhos faíscam pelas ruas de Gênova: é uma moça! ...

Rapazes param...
Homens pasmam...
Todos comentam!...

Quem é ela?...
Que fará com os lindos olhos?...

Há só uma alternativa:
Fascinar ou seduzir!"

Livro A Dama dos Olhos Fascinantes
Afonso de Santa Cruz

2ª edição

Edições Rosário
1978


sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Livro Rolando na Duna, Manoel Cardoso


"Noel, filho de pescadores, quer ir para o mar, mas não consegue convencer o pai e o irmão a levá-lo.
Um dia a rede volta vazia. No dia seguinte também. E no outro. Desanimado, o pai consente em levar o pequeno Noel, para dar sorte.
O menino descobre onde estão os peixes, mas... desaparece da jangada. Quando volta para casa, traz novos amigos e uma grande surpresa para a família."

Livro Rolando na Duna
Manoel Cardoso

Desenhos de Ricardo Azevedo

Editora do Brasil S.A.
1989

Boas leituras!

Livro Miniatlas O mundo em suas mãos, Ed. Scipione


Livro Miniatlas
O mundo em suas mãos

Supervisão Técnica de Celso Antunes

Editora Scipione
1998

Boas leituras!

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Pink Floyd, RockFan


"Em 11 de março de 1967 saía na Inglaterra o primeiro compacto do Pink Floyd com as músicas "Arnold Layne" e "Candy And A Currant Bun". Além da estranheza do nome do grupo, uma associação dos nomes de dois obscuros bluesmen americanos, Pink Anderson e Floyd Council, o som da banda levava ao extremo a revolução sonora proposta pelos Beatles, nos álbuns Rubber Soul e Revolver e no compacto "Penny Lane" / "Strawberry Fields Forever": o acid-rock britânico, com citações eruditas, cordas, instrumentos musicais estranhos ao rock, inícios e finais falsos, gravações tocadas de trás para diante, letras surreais e mais um elenco infinito de truques. "Arnold Layne" surpreendia pela qualidade de seu texto, obra do então desconhecido Syd Barret."

A trajetória completa da maior banda de rock progressivo do mundo!

A discografia oficial e pirata.

Rock Fan
Ano I, Nº 4
Nova Sampa Diretriz Editora Ltda

Boas leituras!

Revistando: "Espelho de Adônis", Luiz Chagas, Isto É, 22 de dezembro de 2004


"Nos anos 1960, o nome do escritor e professor italiano Umberto Eco esteve associado ao ensino de semiologia e estética que disseminava em livros como Obra aberta e A estrutura ausente, cartilhas obrigatórias dos nascentes cursos de comunicação. Duas décadas depois, o romance O nome da Rosa, recheado de elucubrações sobre a escrita simbólica, alçou-o à categoria de best-seller devido à trama policialesca nos moldes de um 007 medieval. Apesar do apelo, dada a aridez dos assuntos e o volume de sua prosa, os livros de Eco foram sendo cada vez mais comprado e menos lidos. Caso de O pêndulo de Foucault e Baudolino. Lançado em 2004, o luxuoso História da beleza _ organização de Umberto Eco (Record, 440 págs., R$150), com 17 capítulos prefaciados pelo professor da Universidade de Bolonha, nove escritos por ele e o restante por Girolando de Michelle, não é o tipo de livro que ficará confinado às estantes. O tom professoral, porém simpático, aliado à profusão de ilustrações, que vão de figuras pré-históricas às cobiçadas imagens dos calendários da Pirelli, lhe garante um lugar na mesa da sala. 
Eco abre sua obra com quadros comparativos, a exemplo do que fizera o artista plástico inglês radicado nos Estados Unidos David Hockney, em O conhecimento secreto. Enquanto este procura provar que a evolução da pintura está ligada aos avanços tecnológicos, Eco demonstra como as diferentes concepções de beleza evoluem e se repetem em diferentes épocas, nas mais diversas áreas e regiões. Nos 11 quadros explica-se, por exemplo, a mudança da visão que se tem do homem e da mulher nos mitos lendários Vênus e AAdônis _ representados nus ou vestidos, com seus rostos e cabeleira detalhados _ aos mitos da comunicação, como Monica Belluci e Arnold Schwarzenegger. Da mesma forma registra as variações observadas nas imagens do rei e da rainha, do busto do faraó Aquenaton, do século IV a.C., a John Kennedy ou Giovanni Agnelli, e de Nefertite a Lady Di. Assim como as representações de Nossa Senhora e Jesus Cristo, do mosaico A natividade, anônimo do século XII, a uma foto recente da cantora Madonna, e das figuras pintadas nas igrejas ao rosto ensanguentado de Jim Caviezel no filme de Mel Gibson.
Os textos, abertos pelo capítulo O ideal estético da Grécia Antiga e encerrados por A beleza da mídia, são pontuados por trechos de obras célebres de filósofos e estetas de todas as eras, referências que "conversam" entre si e com as obras reproduzidas. Diante do leitor desfilam Eurípedes, Jagger, Picasso, Kant, Warhol, Nietzsche, Marilyn, Kafka, Barthes, Brando, Rimbaud, Garbo ou Shakespeare. Umberto Eco apela para sua aparentemente inesgotável erudição para tecer esse magnífico exemplar. Obrigatório."

Espelho de Adônis
Luiz Chagas
Seção Livros

Revista Isto É

22/12/2004
Página 116

Boas leituras!

Livro O segredo de uma família feliz, Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados


Livro O segredo de uma família feliz

Sociedade Torre de Vigia  de Bíblias e Tratados
1996

Boas leituras!

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Livro O morro dos ventos uivantes, Emily Brontë

127 páginas

O morro dos ventos uivantes
Emily Brontë

Tradução Vera Pedroso
Cedibra Editora Brasileira Ltda
Impresso na Divisão Gráfica de Abril S.A.

Boas leituras!

Livro Castelo Forte, 2004


"Gansos selvagens voam em bandos, em forma de cunha. O espaço aberto pelo primeiro facilita o deslocamento do seguinte... As meditações do Castelo Forte estão na ponta da cunha, abrindo caminho para facilitar o acesso à Palavra de Deus para que você possa crescer na fé, encontrar consolo nos momentos de angústia e sentir-se animado à esperança no vôo da sua vida."

Livro Castelo Forte
Meditações Diárias

2004
Editora Sinodal
Concórdia Editora Ltda

Boas leituras!

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Livros Cristãos


A MENSAGEM
Júlio Figueiró

VOLTE PARA CASA, FILHO
Alejandro Bullon Paucar
Casa Publicadora Brasileira
1998

A CANDEIA
O Evangelho segundo S. Lucas
Traduzido em Português por João Ferreira de Almeida
Sociedade Bíblica do Brasil
1969

O DEUS QUE NÃO DESISTE DE AMAR
Caio Fábio D'Araújo Filho
Editora Sepal
1994

O CHAMADO PARA O MINISTÉRIO
C.H. Spurgeon
Publicações evangélicas selecionadas

BÍBLIA _ A PALAVRA DE DEUS OU DE HOMEM?
Sociedade de Torre de Vigía de Bíblias e Tratados
1989

PÃO DA VIDA
O Evangelho Segundo João
Sociedade Bíblica Internacional
1988

VITÓRIA NA PROVAÇÃO
As sete provações de Jó
Wim Malgo
Obra Missionária Chamada da Meia-Noite
Tradutor Ingo Haake

O LIVRO DE MARCOS
AMME
2013

VIDA DE JESUS
Ellen G. White
Tradução Sonia Maria M. Gazeta
Casa Publicadora Brasileira
2001

TRÍPLICE VITÓRIA DO AMOR
Munguba Sobrinho
Junta de Educação Religiosa e Publicações
1977

O CAMINHO PARA O CÉU
Editora Betânia
2002

Boas leituras!

Livro Arrependimento Mata, Evandro Berlesi


"Leonel está trancado em sua casa há anos porque tem medo de sair pra rua e se arrepender... Viver num futuro onde o sentimento de arrependimento mata não é nada fácil. Pessoas morrem o tempo todo. Um futuro onde não existem mais políticos, líderes religiosos, oxigênio, água, casamentos e escritores de livro ruins como este." 

Livro Arrependimento Mata
Você tem certeza de que quer ler este livro?
Evandro Berlesi

Edições Besouro Box Ltda
2008

Boas leituras!

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Livro O lar feliz, Alberto Muller e Ellen G. White


Livro O Lar Feliz
Alberto Muller e Ellen G. White

ª edição
Revista e ampliada

Agência Brasileira de Publicações

Boas leituras!

Livro Furacão Elis, Regina Echeverria


A Autora
"Regina Echeverria é jornalista. Durante seis meses recolheu dados sobre a vida e a morte de Elis, sua amiga pessoal. Para que a história de Elis Regina fosse contada, Echeverria teve que abandonar o emprego, a rotina e a paz, para aí então encontrar Elis, três anos e meio depois de sua morte. Aos trinta e quatro anos, treze de profissão, dois casamentos e um filho, a autora se jogou nesta aventura com a paixão que ela acredita ser a de sua profissão: contar e participar. O resultado está aqui, Furacão Elis."

O Livro
"Furacão Elis, é um livro reportagem. É um quebra-cabeça montado em doze atos. Da infância e adolescência em Porto Alegre, à morte por over-dose em São Paulo. Furacão Elis é uma montagem dos cacos de uma aparente contradição _ a contradição de Elis Regina Carvalho Costa _ para surgir uma mulher inteira e grandiosa. É um livro de uma jornalista, auxiliada por jornalistas. Eles contam a história de um tempo, de uma geração e de uma das personagens mais brilhantes do Brasil moderno."

Livro Furacão Elis
Regina Echeverria

Cronologia e discografia
Maria Luiza Kfouri

6ª edição
Editorial Nórdica Ltda / Círculo do Livro S.A.
1985

Boas leituras!

Livro Fatos & Mitos sobre a sua saúde, Dr. Fernando Lucchese


Livro Fatos & Mitos sobre a sua saúde
Dr. Fernando Lucchese

Ilustrações de IOTTI

L&PM Pocket
2006

Boas leituras!

domingo, 10 de setembro de 2017

Livro A volta ao mundo em oitenta dias, Júlio Verne


Sinopse:
"Em 1872, vivia em Londres um homem misterioso chamado Phileas Fogg. Com a exatidão de um cronômetro, chegava todas as manhãs ao Reform Club, de onde só retornava a casa para dormir, precisamente à meia-noite. No dia em que admitiu Passepartout como seu criado, o metódico cavalheiro fez uma aposta com os outros sócios do clube, arriscando metade de sua fortuna. A outra parte gastaria para ganhá-la. Esta inesperada decisão de Fogg vai levar os dois a viverem uma ousada aventura."

"Júlio Verne (1828-1905) Escritor francês, nascido em Nantes. Considerado um dos criadores da ficção científica, escreveu mais de 60 romances e narrativas, que foram traduzidos para cerca de 80 línguas. Entre suas obras mais famosas contam-se, além desta Volta ao Mundo em 80 Dias, as Vinte Mil Léguas Submarinas, Ao Redor da Lua, Miguel Strogoff, Cinco Semanas em Balão, e tantas outras que compõe a série das Viagens Extraordinárias pelos Mundos Conhecidos e Desconhecidos." 

Livro A volta ao mundo em 80 dias
Júlio Verne

Os grandes clássicos da Literatura
Volume I

Novo Brasil Editora Brasileira Ltda
1983

Boas leituras!

Livro Manual Prático de Desenho 2, Dario Chaves e Alexandre Jubran


"Aprenda a desenhar ou aperfeiçoe: Pessoas, animais e aves; texturas, cenários, luz e sombra; perspectiva e perspectiva curva.
Tudo passo-a-passo em 96 páginas.
Totalmente ilustrado."

Livro Manual Prático de Desenho 2
Dario Chaves e Alexandre Jubran

1ª edição

Tipo Editora
2002

Boas leituras!

sábado, 9 de setembro de 2017

Livros As frutas, hortaliças na medicina doméstica, Alfons Balbach


Livro As Frutas na Medicina Doméstica
Prof. Alfons Balbach

21ª edição

EDEL - Edições "A edificação do lar"


Livro As Hortaliças na Medicina Doméstica
Prof. Alfons Balbach

26ª edição

EDEL - Edições "A edificação do lar"

Livro A Lua sua influência sobre o homem e a natureza, Ilya Virgatchik


"A Lua sempre exerceu grande fascínio sobre o homem. Certas influências lunares são evidentes, outras são apenas pressentidas e ainda não receberam uma explicação convincente. Este livro examina pormenorizadamente:
_ o que é a Lua: as fases, as rotações, os eclipses, as marés;
_ os efeitos da Lua cheia sobre o comportamento humano e sobre os ritmos biológicos do homem: a licantropia, as perturbações durante o sono, os ciclos femininos;
_ a Luz na Astrologia: sua importância nos signos, o clico da Lua Negra;
_ as fases da Lua e o crescimento dos vegetais, a vida dos animais, os períodos de pesca;
_ a ação da Lua sobre a meteorologia e o mecanismo da famosa Lua Vermelha.
Nas fronteiras da Astronomia e da Astrologia, eis um livro original que, além dos mais, faz uma apreciação sobre todas as crenças populares ligadas ao nosso satélite."

Livro A Lua sua influência sobre o homem e a natureza
Ilya Virgatchik

Tradução de Regina Laura de Souza Pinto

Editora Pensamento Ltda
1983

Boas leituras!

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Livro Passaporte para a vida, Alejandro Bullón


Livro Passaporte para a vida
Roteiro para uma vida feliz
Alejandro Bullón

Casa Publicadora Brasileira
9ª edição

2005

Boas leituras!

Livro O evangelho segundo o espiritismo, Allan Kardec


Livro O evangelho segundo o espiritismo
Allan Kardec

Tradução de Salvador Gentile
315ª edição

Instituto de Difusão Espírita
1978

Boas leituras!

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Livros A flora nacional na medicina doméstica I e II, Alfons Balbach


Livros A Flora Nacional na Medicina Doméstica
Livro I e Livro II
Prof. Alfons Balbach

23ª edição

Edições "A edificação do lar"

Boas leituras!

Revistando: Reportagem "O livreiro de Cabul quer fazer as pazes, Veja, 19 de maio de 2010


"Shah Muhammad Rais diz que cansou de brigar. Depois de seis anos percorrendo os tribunais noruegueses em busca de "reparação" pelos supostos danos decorrentes da publicação do best-seller O Livreiro de Cabul, inspirado nele e em sua família. Rais afirmou a VEJA que vai retirar o processo contra a autora, a jornalista norueguesa Asne Seierstad. "Ela já reconheceu o mal que fez", disse. Na obra, a jornalista descreve o livreiro, chamado na história de "Sultan", como um pai tirano e um marido insensível, que, entre outras coisas, fez a mulher chorar por vinte dias ao adotar uma segunda e adolescente esposa, para a qual reservava frutas e guloseimas negadas aos demais integrantes da família.
Para escrever o livro, Asne morou por três meses na casa de Rais _ hoje, vazia. Ele agora vive no andar superior de sua livraria, no centro da capital afegã, com os dois filhos mais velhos. A primeira mulher mora no Canadá. A segunda, em Oslo. Rais chegou a declarar que foi obrigado a tirá-las do Afeganistão, juntamente com seis de seus oito filhos, porque trechos do livro de Asne poriam em risco a segurança delas e das crianças. Hoje, no entanto, admite que a família nunca recebeu nenhuma ameaça e que, no caso da primeira mulher, a mudança para o Canadá se deu "apenas por precaução". Quando à segunda, que Rais nega ser a sua preferida, ele explica que o que ocorreu foi que ela, grávida de nove meses, o acompanhou numa viagem a Oslo para tratar do processo contra a jornalista e lá deu à luz o caçula do casal, que nasceu com graves problemas respiratórios. "Meu filho teria morrido se não fossem os médicos noruegueses", conta. Hoje, com 4 anos de idade, a criança ainda sofre de complicações respiratórias sérias que lhe valeram asilo humanitário e tratamento gratuito em Oslo. "A generosidade do povo norueguês é um dos motivos pelos quais quero acabar com esse processo", diz Rais. Há dois anos, ele esteve no Brasil. O que mais o impressionou na visita? A diversidade da população ("Negros, brancos, orientais, tudo misturado") e o restaurante Porcão. "Maravilhoso. Pretendo voltar lá um dia e levar a minha mulher. Quer dizer, as minhas mulheres."

O Livreiro de Cabul quer fazer as pazes
Seção Especial

Revista Veja
Editora Abril
Edição 2165 - ano 43 - nº 20

19 de maio de 2010
Página 156

Boas leituras!

Livro Começar de Novo, Leonardo Felder


"Se ao analisar sua vida você descobre que:
_ está cansado de fazer planos que nunca saem do papel,
_ se sente com as mãos e os pés atados diante das situações,
_ quer mas não sabe o que fazer para dar uma reviravolta em sua vida,
é hora de parar, refletir e tomar uma decisão!
Redescubra o prazer de viver.
Deixe o passado para trás, viva intensamente o presente e prepare-se para um futuro melhor.
Basta começar de novo!"

Livro Começar de Novo
Liberte-se das marcas do passado e redescubra o prazer de viver.
Leonardo Felder

Tradução de Elizabeth L. C. Correa
1ª edição

Editora Saraiva
1989

Boas leituras!

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Dicionário Michaelis, Espanhol Português, Português Espanhol


Dicionário Michaelis
Espanhol - Português
Português - Espanhol

Publifolha - Divisão de Publicações da Empresa Folha da Manhã S.A.

1999

www.publifolha.com.br

Boas leituras!

Livro Getúlio Vargas, Coleção Homens que mudaram a história, CT Editora Ltda


"Política é esperar o cavalo passar."

"Salário mínimo, carteira de trabalho, voto feminino, criação da Petrobrás, da CSN, do BNDS (atual BNDES), do IBGE... Isso é Getúlio Vargas. Mas também é Getúlio a criação da censura à imprensa, a prisão de opositores, muita violência policial, a entrega de Olga Benário para ser morta pelos nazistas alemães, a ditadura do Estado Novo e a vacilação para se opor ao nazismo e ao fascismo europeus.
Getúlio, então, foi o "pai dos pobres", o criador de leis trabalhistas e sociais, o inciador da indústria de base no Brasil, o nacionalista sensível à campanha. "O petróleo é nosso", ao mesmo tempo em que foi também o ditador cruel e repressor.
Sua morte, por suicídio em resposta a pressões de grupos direitistas e entreguistas, causou um impacto enorme.
No Rio de Janeiro, jornais de direita que forçavam a sua saída foram empastelados, golpistas como Carlos Lacerda se mandaram para o exterior para não enfrentar a turba enfurecida. "Saio da vida para entrar na História", disse Getúlio em sua carta explicando o suicídio. E entrou mesmo. O "getulismo" permaneceu vivo por muito tempo, e até hoje é lembrado com saudade por muita gente."

Livro Getúlio Vargas
Coleção Homens que mudaram a história
CT Editora Ltda

Boas leituras!

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Livro Um Novo Mundo, A. Balbach


Livro Um Novo Mundo
A. Balbach

Edições "A edificação do lar"

Boas leituras!

Livro Acendedor, Igreja Seicho-No-Ie do Brasil 1971, 1973


"Não diga que não tem sorte.
Cada instante é a sorte.
Abrindo os olhos da mente.
Ela está em todas as partes.
Esperando-o de braços abertos."

Masaharu Taniguchi

Livro Acendedor
Revista Mensal
Publicada pela Igreja Seicho-No-Ie do Brasil

Volune V
Nº 41 a 50
Março 1971 _ Janeiro 1973

Composto e impresso na GENA.

Boas leituras!

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Livro Biblioteca do Saber, Ubiratan Rosa


Livro Biblioteca do saber
Redação: Ubiratan Rosa

Volume 2
Edição 1983

Século XXI Editorial

Boas leituras!

Livro Passagens, Gail Sheehy


"Recorrendo a três anos de pesquisas minuciosas e 115 entrevistas pessoais, Gail Sheehy revela as forças internas e externas que atuam sobre todos nós. Essa visão humanística e panorâmica da vida adulta se dirige eloquentemente a homens e mulheres, a casais e a pessoas solteiras, a "crianças-prodígio" e àqueles cujos talentos só se manifestam tardiamente, a carteiristas e a pessoas conformadas. E o único livro que expõe uma concepção coerente das passagens que todos nós, temos de empreender, através dos 20, dos 30 e dos 40 anos, em direção a uma vida que seja potencialmente a melhor. 
Educada na Universidade de Vermont e na Universidade de Columbia, Gail Sheehy recebeu uma bolsa da Fundação Alícia Petterson para estudar o desenvolvimento adulto."

Livro Passagens
Crises previsíveis da vida adulta
Gail Sheehy

Tradução de Donaldson M. Gareschagen

11ª edição

Livraria Francisco Alves Editora S.A.
1986

Boas leituras!

domingo, 3 de setembro de 2017

Livro Cours de langue et de civilisation Françaises, G. Mauger


Livro Cours de langue et de civilisation Françaises
Ouvrage couronné par l'Académie française
G. Mauger

Avec la collaboration de J. Lamaison et de M.-A. Hameau

Librairie Hachette
1953

Boas leituras!

sábado, 2 de setembro de 2017

Livro Banco, Henri Charrièrre


"_Você tem dinheiro, francês?
_Muito pouco. Como sabe que sou francês?
_Aqui se sabe tudo depressa. Desde ontem que sabemos que você ia ser posto em liberdade. Sabe-se também que você é evadido da ilha do Diabo e que a polícia francesa quer apanhá-lo para o por lá outra vez. Mas não virão aqui buscá-lo, porque aqui eles não mandam. Nós vamos protegê-lo."

[ Página 11 ]

Excerto do Livro Banco
Henri Charrièrre

Círculo do Livro
Tradução de Maria Auta Monteiro Costa e Isabel Aguiar Silva
Cppyright 1972

Abril S.A. Cultural e Industrial
6.ª edição
1976

Para quem quiser ir além do livro: Henri Clarrièrre: o maior farsante da literatura mundial

Boas leituras!

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Livro O maior vendedor do mundo, Og Mandino



"Hafid quer ser o maior vendedor do mundo, assim como é conhecido seu pai adotivo Pathros.
 Pathros resolve colocar o jovem Hafid à prova, dando-lhe uma túnica de sua fabricação, de ótima qualidade com seu logotipo (uma estrela) bordado no tecido. 
Hafid terá como tarefa ir até a cidade de Belém, que é considerada muito pobre, e vender essa túnica no prazo de quatro dias, pelo preço que achar justo. 
Hafid vai, não muito animado, e chegando a cidade montado em seu burro, oferece a túnica para as pessoas nas ruas, nas casas e para os soldados, sem conseguir vende-la. 
Na última noite do prazo ele resolve dormir numa gruta que fica atrás da hospedaria onde faz suas refeições. 
Quando de aproxima da gruta, percebe uma luz fraca vinda de seu interior. Resolve entrar para verificar e fica surpreso ao ver um casal e um recém-nascido. O casal estava encolhido e tremia de frio, pois tinha tirado cada um sua túnica para cobrir a criança. 
Hafid foi até onde estava seu burro, pegou a túnica vermelha que deveria ter vendido e cobriu o recém-nascido com ela. Devolveu as túnicas do casal que permaneceu em silêncio, e saiu, montou em seu burro para voltar ao acampamento para se encontrar com seu pai. 
Ao chegar, muito desanimado ao acampamento, viu seu pai que olhou para ele assombrado, pois uma estrela emitindo uma luz que deixava a noite como o dia, parecia te-lo seguido da gruta até ali. 
Hafid, envergonhado, contou a seu pai o que acontecera, que havia falhado como vendedor, e pior, havia dado a túnica para um casal desconhecido cobrir uma criança recém-nascida. 
Pathros emocionado, falou que Hafid não havia falhado e à partir daquela noite seria seu sucessor como O Maior Vendedor do Mundo. 
Pathros em seu leito de morte, sentindo sua missão cumprida, passou para o filho Hafid o baú contendo os dez pergaminhos de couro, onde estavam escritos os segredos para ele se transformar no Maior Vendedor do Mundo. 
A primeira orientação era para que Hafid lesse cada pergaminho durante trinta dias seguidos, ao acordar, ao entardecer e antes de ir dormir. 
Para colocar em prática os segredos dos pergaminhos, todos os ensinamentos neles contidos teriam que estar incorporados em Hafid. 
Assim ele fez, abriu o baú, retirou o pergaminho de número um e começou a ler: Amor por si e pelos outros, ricos, pobres, arrogantes, humildes, persisitir até conseguir, colocar um tijolo de cada vez, retirar do vocabulário palavras e expressões como: desistir, improvável, incapaz, fracasso, impraticável, fora de cogitação, impossível, sem esperança e recuo. 
Pois são palavras e expressões de tolos. Mesmo que o desespero tente me contagiar, prosseguirei assim mesmo. Ignorarei os obstáculos sob meus pés e manterei meus olhos firmes nos objetivos acima de minha cabeça. 
Persistirei até alcançar êxito. 
Tentarei e tentarei e tentarei de novo. 
Jamais permitirei que o dia termine com um fracasso. 
esquecerei os acontecimentos do dia anterior, sejam eles bons ou maus, e saudarei o novo dia com a certeza que será o melhor dia de minha vida. 
Tudo que eu ganhar, dividirei com os pobres. 
Se persisto bastante, vencerei. Sou único, não existe ninguém no mundo que ande ou fale igual à mim. Eu sou o maior milagre da natureza. 
Eu persistirei. 
Eu vencerei. 
Seguindo esses ensinamentos Hafid transformou-se no Maior Vendedor Do Mundo, e muito rico. 
Quando pressentiu que o próximo escolhido estava para aparecer, doou toda sua riqueza para os pobres, ficando apenas com o suficiente para viver com conforto o tempo que lhe restava. 
 Um certo dia apareceu no portão do palácio de Hafid um homem maltrapilho, querendo falar-lhe com urgência. 
Hafid ouviu toda sua história, pois esse homem dizia ter sido ali enviado por Jesus, o Messias. Trazia consigo uma túnica vermelha suja e manchada de sangue, com a estrela de Pathros bordada em seu tecido. 
 Hafid segurando a túnica emocionado, pediu que o homem lhe contasse tudo que sabia sobre a história de Jesus. 
O homem contou que Jesus havia nascido numa gruta em Belém. 
Hafid logo entendeu que estava diante de seu sucessor: O MAIOR VENDEDOR DO MUNDO."

Livro O maior vendedor do mundo
Og Mandino

Tradução P.V. Damasio
22ª edição

Editora Record
copyright 1968

Boas leituras!

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Livro História Geral, Antônio José Borges Hermida


"A História Geral estuda o passado da humanidade desde o aparecimento dos primeiros povos, isto é, desde a Antiguidade, que é a parte mais remota da História. As outras partes ou idades são a Idade Média, a Idade Moderna e a atual, que se chama Contemporânea.
Quase todos os povos antigos viveram no Oriente e por isso mesmo pertencem à Antiguidade Oriental, como os egípcios, na África, e os que habitaram a Ásia: assírios e caldeus, na região da Mesopotâmia, banhada pelos rios Tigre e Eufrates, os hebreus, na Palestina, os fenícios e os persas. Esses povos, na África (egípcios) e na Ásia Ocidental, povoaram, portanto, uma região vizinha da Europa ou Ocidente e que por isso se chamou Oriente Próximo; mas houve outros povos orientais, como os chineses, no outro lado da Ásia, na região que, por estar muito afastada da Europa, teve o nome de Extremo Oriente.
Depois dos povos orientais, surgiram os gregos e os romanos que povoaram a Europa, daí a divisão da Antiguidade em Antiguidade Oriental e Antiguidade Ocidental, também chamada Clássica.
Dos povos antigos, alguns, como assírios e caldeus, não existem mais: são povos extintos. Podemos, porém, conhecer a sua história porque existem numerosos monumentos, estátuas, restos ou ruínas de palácios e de templos, contendo inscrições, que foram depois decifradas. Esses monumentos, templos, etc, são chamados fontes históricas. Atualmente os grandes sábios estudam os povos do Oriente, desse modo, pela leitura das inscrições: chamam-se egiptólogos, quando se dedicam à Egiptologia, e assiriólogos, quando tratam dos povos da Mesopotâmia, como os assírios e os caldeus (Assiriologia).
Houve também escritores antigos cujos livros são considerados fontes históricas. Heródoto, por exemplo, apelidado de o Pai da História, foi um grego que escreveu sobre a história do Oriente; outra fonte histórica importante para o conhecimento da Antiguidade é a Bíblia, livro sagrado dos hebreus, que narra muitos acontecimentos ocorridos com os povos vizinhos.
O último a ser estudado na Antiguidade é o romano, que chegou a dominar todos os outros, constituindo um grande império. No ano de 395, quando o Império Romano foi dividido em Império Romano do Ocidente e Império Romano do Oriente, termina a Antiguidade e começa a Idade Média.
A Idade Média durou pouco mais de mil anos e terminou quando os turcos, em 1453, tomaram a capital do Império Romano do Oriente, a cidade de Constantinopla. Desse modo, o descobrimento do Brasil verificou-se já no início da Idade Moderna, que se prolonga até a Revolução Francesa (1789), quando começa a Idade Atual, que é a Contemporânea."

Livro História Geral
para os cursos de grau médio
Antônio José Borges Hermida
Licenciado pela Faculdade Nacional de Filosofia, professor estadual do Estado da Guanabara, do Colégio Pedro II e do Colégio Arte e Instrução

2ª edição
Companhia Editora Nacional
São Paulo

Boas leituras!