sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Livro Violão Sem Mestre, Wilson da Silva Nunes

Violão Sem Mestre, Wilson da Silva Nunes

Origem do Violão

O violão _ esse bonito instrumento de sons, pode-se dizer, ilimitado, foi criado há muitos anos, tantos que a data certa já se perdeu na noite dos tempos...

E da sua origem diz assim a lenda:

Numa época imemorial existia em um certo e remoto país um casal de jovens apaixonados. Seus pais opunham-se tenazmente à realização dos seus sonhos de amor. E Viterbo e Olarinda _ esses nomes dos jovens amorosos _ sofriam atrozmente pela insatisfação de seus desejos, a que os tinham condenado seus pais.

Olarinda, como o nome bem faz adivinhar, era linda. Tinha formas esculturais e uma voz tão terna e maviosa que mais parecia, quando cantava, o trinado de um rouxinol. Mas Olarinda cantava, sim, como lenitivo para as mágoas de seu amor irrealizado.

E alguns anos se passaram assim, os dois jovens sofrendo as dores de seus amores não realizados, temerosos de contrariar seus velhos pais. Até que um dia, como sempre, um dia. Viterbo caiu gravemente enfermo e morreu. E Olarinda, então, passou a viajar junto ao local em que jazia sepultado seu amado, chorando a sua dor e clamando aos deuses que a levassem também para junto de Viterbo, na eternidade. E foi numa dessas suas súplicas partidas do fundo do coração, que Olarinda viu surgir junto de si uma visão radiosa que lhe disse:

_Olarinda, eu sou sua fada protetora e sei bem quanto tens sofrido. Compadecida de ti, eis-me aqui para realizar teus desejos. De agora, por todo o sempre, vou transformar-te com esta varinha de condão num instrumento que te fará unida ao teu amado. Do nome do jovem tirarei a primeira sílaba _ VI _ e o unirei às tuas iniciais _ OLA _ e esse será o seu nome. Darei ao instrumento as tuas formas maravilhosas de mulher bonita e amorosa. Nas suas cordas que serão como as fibras do coração de mulher apaixonada, quando tangidas, estarão presentes o tom de um lamento e o aveludado da tua voz. Serás, nesse instrumento, o lenitivo dos amantes das noites enluaradas e poéticas, dos que sofrem, dos tristes e dos desesperados. E, muito embora teu canto seja de tristeza, por contraditório que pareça, darás alegria aos corações dos que te ouvirem...

E assim dizendo, as bondosa fada tocou com a sua varinha mágica o corpo de Olarinda e ela transformou-se na Viola, a que os tempos passando deu hoje o nome de Violão.






Livro Violão Sem Mestre, Wilson da Silva Nunes
Método Básico _ Wilson _ Aprendizagem Rápida e Completa
Tecnoprint Gráfica S.A.

Boas leituras!

Nenhum comentário:

Postar um comentário