segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Massacre do Cerro dos Porongos, A Guerra dos Farrapos, Alcy Cheuiche

Massacre de Cerro dos Porongos

"06/11/1844. No acampamento farroupilha o clima é de festa. David Canabarro, sempre prevenido, relaxou completamente a vigilância.  A reunião de seus emissários com o Barão de Caxias foi um sucesso. A paz não tardará a dar descanso àqueles homens esgotados. Os generais Netto e João Antônio também estão no Cerro dos Porongos. O efetivo total é de cerca de mil homens. Mas nenhum deles está de guarda. Até tarde da noite repicam as violas, passam de mão em mão as guampas de cachaça."

[ ... ]

"O sargento Cosme ergue-se em toda a sua estatura e se espreguiça.   Um tiro o atinge pelas costas. Curva-se e recebe outro balaço. Cai de borco sobre o fogo. Ninguém o pode socorrer. A fuzilaria estala de todos os lados. O acampamento desperta em pânico. Os primeiros que se levantam caem mortos ou feridos. Outros se arrastam em busca das armas. A cavalaria imperial entra a galope, pisoteando tudo. A gritaria é infernal. Os mais valentes lutam de arma branca para salvar a vida. A maioria dos soldados e oficiais foge em completa desordem. As lanças estão empapadas de sangue."

[ ... ]

"O ataque ao Cerro dos Porongos foi planejado nos mínimos detalhes. Até os freios dos cavalos tinham sidi enrolados em trapos para não fazerem ruído. Os soldados do "Moringue" tinham marchado cinco noites, passando os dias escondidos. Rações de carne cozida foram distribuídas para que ninguém fizesse fogo. O dedo do Barão estava em tudo isso. Mas Canabarro foi o grande culpado do desastre. Cobriu-se de ridículo por sua fuga em trajes menores e muitos o acusaram de traidor. Uma centena de veteranos combatentes,  a maioria negros, morreram sem a menor chance de defesa. Não havia cartuchos em suas carabinas. Teria havido um plano maquiavélico para eliminar os ex-escravos? O massacre do Cerro dos Porongos continua à espera de uma explicação."

A Guerra dos Farrapos, Alcy Cheuiche

Livro "A Guerra dos Farrapos, 
Alcy Cheuiche
Habitasul, 1984

Boas leituras!

Nenhum comentário:

Postar um comentário